Conhecimento  compartilhado através de  Lives
12 Jul 2020

A pandemia do Coronavírus que atingiu o mundo todo desde o mês de março, mudou os planejamentos de muitas ações programadas para o ano de 2020 na Van Ass, como as iniciativas de qualificação profissional para os clientes e para a equipe interna. Diante da realidade, a empresa não deixou a informação e o conhecimento passarem em branco, inovando com palestras online sobre temas relacionados ao agronegócio e à comercialização de produtos. Confira um resumo das palestras realizadas nos meses de maio e junho.

A importância da cultura do trigo

"A contribuição do trigo no resultado da propriedade rural”, foi tema da Live promovida na noite de 12 de maio pela Van Ass Sementes, com o objetivo de aprimorar o conhecimento dos produtores rurais em relação à produtividade e à lucratividade do trigo. 

Carlos Fiorin, engenheiro Agrônomo, coordenador da Assessoria do Grupo Agros, que atua no mercado há 34 anos na área de gestão com ênfase em produção agrícola, foi o palestrante.

Durante a palestra Carlos apresentou um comparativo entre a produtividade da Agros e do Estado do RS, mostrando que para obter mais produtividade é preciso levar em conta as questões técnicas e o gerenciamento da lavoura em diversos aspectos, como genética, manejo de adubação, quando este é feito pensando no sistema, que se refere em dividir a adubação em duas partes, uma no inverno e a outra no verão o que contribui para melhorar a fertilidade do solo.

Quanto aos benefícios do trigo no sistema de produção, o agrônomo destacou a cultura com valor agregado no inverno, sinergismo entre sucessão trigo-soja com ganho sobre o rendimento, efetividade no controle de plantas daninhas, conservação do solo, melhoria das características físicas e químicas do solo, melhora do aporte nutricional para a cultura subsequente, e redução da ociosidade da propriedade.

Segundo ele, o que torna o Grupo Agros e as propriedades diferentes, é o foco na produtividade, que dá garantia de obter uma margem positiva na cultura do trigo, além de buscar uma melhor lucratividade do negócio, revendo os custos. Também ressalta que é importante pensar na longevidade, que é o resultado da produtividade e da lucratividade, o que vai manter a propriedade para as próximas gerações.

 

Manejo e Equilíbrio nutricional de solos

Tendo como palestrante o engenheiro Agrônomo, doutor em Ciência do Solo e presidente da Drakkar, Alan Acosta, a Van Ass Sementes promoveu na noite do dia 19 de maio, uma Live sobre “Manejo e Equilíbrio Nutricional de Solos.”

Para contextualizar a Agricultura de Precisão a nível nacional, o convidado apresentou uma pesquisa de doutorado realizada pelo professor da Universidade Federal de Santa Maria, Canrobert Kumpfer Werlang, no ano de 2018, que levantou os seguintes dados:

- 97,8% dos produtores utilizam a coleta georreferenciada, ou seja, preferem os mapas de fertilidade.

- A maioria dos entrevistados, tanto produtores quanto prestadores de serviços, concordam que há uniformidade da área pela agricultura de precisão.

- Em relação à satisfação sobre os projetos de precisão, mais de 70% respondeu que estão satisfeitos.

- Mais de 90% não abandonaria a forma como está sendo realizada a agricultura de precisão.

Para alcançar o equilíbrio nutricional do solo, o engenheiro explicou que é preciso boa adubação e atividade biológica: “O solo só fica vivo se tiver o resíduo orgânico que é o combustível dos microorganimos, os quais fazem o desenvolvimento da vida no solo”. Também, segundo ele, é necessário realizar uma boa amostragem representativa, executar uma análise simples ou análise de precisão horizontal e vertical e, para completar, até estudos de sequenciamento de DNA para medir a microdiversidade já estão sendo possíveis.

Em sua apresentação enfatizou que o solo equilibrado não garante a produtividade, pois a produtividade está relacionada a vários outros fatores, por exemplo, à genética, ao clima e ao manejo. Entretanto, o solo é base de muitos desses fatores.

Para obter-se um solo equilibrado, Acosta destacou que é necessário “tempo”: “É preciso aplicar calcário, fósforo, potássio, entre outros componentes. Normalmente, no primeiro ano os resultados não são muito substanciais. Acontecem, mas não em grandes proporções”.

Dados levantados na análise do solo da Granja Limburgia, da Sementes Van Ass, demostrou a evolução gradual da melhoria da produtividade do solo, considerando os níveis de potássio e fósforo que foram aplicados anualmente, chegando a excelentes resultados.

Os benefícios da jornada de preparação do solo, de acordo com o empresário, são redução de custos, aumento da eficiência de recursos, mais precisão, possibilidade de analisar os nutrientes, geração de conhecimento e aumento do nível de exigência com aplicação de mais tecnologia e serviços.

 

Treinamento online sobre negociação e vendas

A Van Ass Sementes, tendo como foco qualificar constantemente a sua equipe, promoveu na noite do dia 26 de maio, uma webinar para o setor comercial, com Mário Rodrigues, do Instituto Brasileiro de Negociação e Vendas.

Na primeira etapa da webinar, o palestrante apresentou os principais desafios na área de vendas, abordando temas como melhoria contínua da performance da equipe, entrega de valor agregado na venda, atender as expectativas do cliente e levar as melhores soluções para o negócio de cada cliente.

Na segunda parte, a equipe participou de um bate-papo para compartilhar experiências e sanar dúvidas em relação ao tema.

 

Especialistas participam de Live sobre Projeto Sulcos

A Live promovida pela Van Ass Sementes na noite do dia 16 de junho abordou amplamente o Projeto Sulco Resultado da Safra 2019-2020. A explanação do tema contou com a participação de oito profissionais ligados ao agronegócio.

A abertura da Live e as boas-vindas aos participantes foi realizada pelo diretor da Van Ass Sementes, Alexandre Van Ass e pelo engenheiro Mecânico, com MBA em Marketing e Agronegócios Werner Santos, mediador da Live.

Na sequência, o engenheiro agrícola Amilcar Centeno, abordou sobre o objetivo de validar e promover as melhores práticas de irrigação e drenagem por sulcos nas várzeas gaúchas, e compartilhou a análise financeira do Projeto.

José Barbat Parfitt, pesquisador da Embrapa, apresentou a implantação e a condução de lavouras de soja irrigadas no sistema sulco-camalhão em quatro lavouras-piloto no Rio Grande do Sul, com enfoque na sistematização (suavização), construção dos camalhões, semeadura da soja, acompanhamento das lavouras e os resultados da colheita.

O tópico sobre solução na mecanização foi ministrado por Fabrício Müller, da Massey Ferguson, que enfatizou o trabalho de adaptação nas máquinas para atender as questões agronômicas do preparo do solo, do plantio e da colheita, em terras baixas.

Henrique Bergmann detalhou o sistema Field Level II e o projeto de suavização, trazendo dados significativos do software aplicado nos maquinários para a formação dos sulcos, declividade, escoamento de água, visando a melhor irrigação e drenagem do solo.

Júlio Assis Brasil Filho, da PipeBR, trouxe informações sobre preceitos para irrigação pro sulcos como aptidão das áreas, confecção de sulcos de forma antecipada, linhas pareadas de plantio, bombeamento de água e instalação do sistema de politubos logo após o plantio.

Álvaro Ribeiro, agrônomo e produtor de arroz e soja da Fazendo Ribeiro, uma das fazendas-piloto do Projeto Sulco, avaliou o desempenho do projeto destacando que a implementação do Projeto Sulco traz a possibilidade de ampliar o horizonte da irrigação para o cultivo da soja, observando que com a drenagem foi possível estabilizar e aumentar a produtividade. Segundo ele, pretende voltar a irrigar arroz e continuar com soja, pois as culturas não competem entre si.